Privacidade

O terapeuta guarda em sigilo toda a informação sobre o seu paciente, quer esta lhe tenha sido transmitida pelo próprio, através de outros ou resulte da sua própria percepção. Esta confidencialidade deverá incluir a própria relação terapêutica bem como quaisquer anotações ou gravações.

 

Tudo que for conversado durante terapia será de carácter confidencial.  Faz parte de uma relação profissional que está guardada por leis deprivacidade e confidencialidade. Tratam-se de questões legais e éticas que preservam e regem a relação terapeuta-paciente.  Jamais aquilo que fora conversado será revelado.

 

Contudo, existem exceções onde essa confidencialidade pode ser quebrada. Situações onde há:

  • Abusos físicos ou sexuais sofridos por menores de idade, pessoas incapacitadas ou inválidas e idosos.

  • Risco do paciente para consigo ou outras pessoas.

  • Incapacidade do paciente de cuidar de si próprio.

  • Presença de uma ordem de carácter judicial.


Fora essas situações, tudo o que é dito no contexto do processo terapêutico é estritamente confidencial. Nenhuma informação será dada, seja a quem for, sobre a sua situação, a menos que seja obtida a sua autorização por escrito ou que a sua segurança ou a de outros seja comprovada.

 

Para maiores informações, acessar o site do Código de Ética do Profissional de Psicologia:

 

<http://site.cfp.org.br/wpcontent/uploads/2012/07/resolucao1987_2.pdf ehttp://www.pol.org.br/pol/export/sites/default/pol/legislacao/legislacaoDocumentos/codigo_etica.pdf>